Show em São Paulo comemora sucesso do disco “Cadáver pega fogo durante o velório”

Fernando Pellon marca presença na Escola Portátil de Música
30 de dezembro de 2017
Compositor fala do projeto que deu início à sua carreira musical
12 de março de 2018

 

Com apresentação especial no Sesc Belenzinho, em São Paulo, dia 23 de março, Fernando Pellon comemora os 35 anos da gravação do disco “Cadáver pega fogo durante o velório” (1983). O compositor foi convidado para participar do projeto “Álbum” do Sesc, que remonta a memória da música brasileira por meio de registros fonográficos que ajudaram a consolidar sua história.

Feliz com a repercussão positiva que o disco causou e ainda causa no meio musical, Fernando Pellon falou sobre o convite para se apresentar em São Paulo: “Hoje, 35 anos após a gravação do “Cadáver pega fogo durante o velório”,, ainda é preciso cantar moribundas vontades com todas as letras”, diz o compositor.

Produzido pelo jornalista e crítico musical Roberto Moura, o álbum foi lançado em 1983, pelo selo independente Vento de Raio. O trabalho foi premiado com o troféu Chiquinha Gonzaga no ano de seu lançamento, pela Associação dos Produtores Independentes de Discos (APID).

O projeto gráfico do disco foi ousado para os padrões da época. A capa traz as fotos dos cinco intérpretes imitando cartazes dos procurados pelo regime da ditadura militar (1964-1985). O texto de apresentação foi escrito pelo jornalista Tárik de Souza.

Lançado no período ditatorial brasileiro  “Cadáver pega fogo durante o velório”, atravessou os sombrios e complicados desvãos da Censura Federal, com uma de suas faixas vetada.O veto foi derrubado no Conselho Superior de Cultura, em um longo processo que durou cerca de oito meses, com o apoio do pesquisador Ricardo Cravo Albin. Felizmente, o talento venceu, o disco virou cult e continua sendo muito bem avaliado pela crítica musical e cultuado, inclusive, pelos fãs de rock.

Neste show no Sesc Belenzinho, Fernando Pellon (voz) é acompanhado por Jayme Vignoli (cavaquinho, arranjos e direção musical), Ronaldo Gama (baixo), Hermano Pellegrini (violão), Richard Fermino (sax, clarineta e flauta), Jhony Guima (percussão), Leonardo Carvalho (bateria), Henrique Araújo (bandolim), além das participações especiais de Paulinho Lêmos, Douglas Germano, Fátima Guedes e Marcelo Pretto.

Composto por nove canções, sendo sete de Fernando Pellon e duas parcerias, uma com Paulinho Lêmos e outra com Renato Costa Lima, o disco teve show de lançamento no bar O Viro da Ipiranga!, no bairro de Laranjeiras, zona sul do Rio. O repertório apresenta sambas e choros, interpretados pelo próprio Pellon, com as participações especiais de Paulinho Lêmos, Cristina Buarque, Sinval Silva e Nadinho da Ilha.

Quando o disco foi lançado em 1983, a base instrumental foi um dos destaques e era formada por Raphael Rabello (violão sete cordas), Helvius Vilela (piano), Marcelo Bernardes (sopros), Oscar Bolão (percussão), Afonso Corrêa (bateria), Tunico Frazão (cavaquinho) e o violonista João de Aquino, músico responsável pela maioria dos arranjos.

Mais detalhes sobre o show acesse aqui.