Fernando Pellon fala sobre o fim do Ministério da Cultura

Pellon ganha destaque em mostra do Museu de Arte do Rio
20 de janeiro de 2019
Em ritmo de carnaval, Fernando Pellon canta na Casa do Choro
26 de fevereiro de 2019

Nesse breve bate-papo, Fernando Pellon manifesta a sua preocupação com a decisão do governo de acabar com o Ministério da Cultura, medida que segundo ele vai atingir, negativamente, toda a produção cultural do Brasil, com especial prejuízo para os autores independentes. O compositor fala também sobre as dificuldades que esses artistas enfrentam no mercado fonográfico.

Qual é a sua opinião sobre o mercado fonográfico no Brasil para artistas independentes como você?

Creio que o mercado fonográfico há muito privilegia a redundância em detrimento da informação. Ou seja, a produção musical tem baixo “valor agregado”, como se fosse uma commodity, com qualidade e características uniformes, que não se diferenciam de acordo com o autor ou intérprete. Esse é um ambiente sem espaço para a experimentação independente.

Além do pouco espaço nos canais tradicionais de divulgação (rádio e TV), qual é o fator mais prejudicial ao trabalho de divulgação da música de artistas independentes?

Aversão ao risco.

Qual tem sido o papel da crítica especializada nesse processo?

Se a crítica especializada faz parte dessa cadeia industrial de valor, apenas divulgando press-releases, não há muito o que esperar. No entanto, devemos lembrar que as colunas de Torquato Neto sobre música popular nos jornais do Rio de Janeiro serviram de base para a divulgação das ideias do Tropicalismo. Onde há conteúdo e coragem, arranja-se espaço.

De que maneira o trabalho de compositores independentes foi afetado pelas novas mídias de distribuição de obras musicais?

A internet foi um espaço muito bem aproveitado para a discussão e divulgação de novidades na música popular brasileira. Existem inúmeros blogs e sites onde jornalistas e artistas podem trazer a todos o oxigênio dos novos caminhos da criação. Foi lá que o “Cadáver Pega Fogo Durante o Velório” ressuscitou, depois de permanecer na tumba por mais de duas décadas.

Qual é a sua opinião sobre o fim do Ministério da Cultura?

Quando Kofi Annan tocou atabaque no show em que Gilberto Gil cantou “Toda Menina Baiana” na ONU, ficou clara a capacidade do Brasil de influenciar indiretamente o comportamento de outras nações por meios culturais. Isso é soft-power, vantagem competitiva de um país que pode estabelecer novos paradigmas civilizacionais fundados nos trópicos. Um governo que extingue o Ministério da Cultura abre mão desse capital geopolítico para simplesmente cumprir o papel não-protagonista de fornecedor de matéria-prima para o primeiro mundo. Essa drástica mudança de perspectiva afetará negativamente toda a produção cultural do Brasil, com especial prejuízo para a concepção de caminhos independentes para a música popular brasileira.